ISBR.jpg

AJUDE AS CRIANÇAS

Nossa Motivação

A prática odontológica tradicional de promover a saúde bucal centrada no paradigma cirúrgico-restaurador, utilizada no Brasil desde o pós guerra de 1945, tem se mostrado incapaz de atender às necessidades acumuladas e crescentes, pois as causas das doenças não são controladas, apesar dos seus altíssimos custos financeiros.

O resultado pífio desta prática desprovida de ações preventivas, desemboca nos 74% de brasileiros que chegam aos sessenta anos de idade completamente  desdentados ou com o dentes que lhe restam sem condições funcionais.

Em 1975, a evolução da ciência acrescentou a este modelo de Promoção da saúde bucal, a etapa de Manutenção da Saúde Bucal que inclui procedimentos profiláticos  simultâneos aos ensinamentos culturais de educação odontológica focando a higiene bucal e controle da dieta do açúcar, que permitem a aplicação de métodos restauradores menos invasivos, sucedidos por  revisões profiláticas  contínuas  e permanentes, o que torna o tratamento coletivo financeiramente viável.

Mudar o modelo restaurador para o preventivo,  foi a percepção que motivou  a criação do Instituto de Promoção da Saúde Bucal Gente que Faz o Brasil Sorrir  em 29 de maio de 2009.

Nosso Trajeto

O projeto foi iniciado com a montagem de uma clínica fixa e a aplicação do novo modelo.

A prática confirmou a eficiência do modelo de Promoção e Manutenção da saúde bucal, porém, reprovou a utilização do consultório fixo porque limita  o atendimento  às crianças matriculadas na escola possuidora do consultório.

 

Mesmo as  crianças matriculadas em escolas próximas das clínicas providas de equipamentos, não podem desfrutar do  benefício oferecido  porque não tem quem as leves até o local de atendimento.

 

Os pais estão trabalhando, tem os riscos inerentes ao transporte, além do que, não é tarefa do professor.

Trabalho concluído em 2015 pelo ministério da saúde, com apoio do Conselho Federal de Odontologia, utilizando métodos preconizados pela OMS, ratificaram a nossa visão, quando conclui que:

 

“A FALTA DE QUEM LEVE AS CRIANÇAS AOS LOCAIS ONDE OS SERVIÇOS ODONTOLOGICOS ESTÃO DISPONÍVEIS, É A PRINCIPAL RAZÃO DE 30 MILHÕES DE CRIANÇAS BRASILEIRAS EM IDADE ESCOLAR NÃO IREM AO DENTISTA NO ANO”.  

Conclusão

Se temos 30 milhões de crianças que não vão ao dentista no ano, ao cabo de 6 décadas, teremos 180 milhões de brasileiros que chegarão aos sessenta anos de idade desdentados.